Close
0

FPI consegue resgatar mais de 400 animais silvestres criados em cativeiro

Até o final da manhã desta terça feira, 26, mais de 400 animais silvestres foram resgatados, com vida, nos municípios sergipano de Neópolis e Japaratuba durante as fiscalizações da Fiscalização Preventiva Integrada do São Francisco (FPI/SE) – que ocorrem desde a segunda-feira, 25. Conforme revela a equipe Fauna, responsável pela atuação de resgate de animais, todos os bichos estão recebendo cuidados e após passar por avaliação de biólogos, veterinários e ornitólogos, eles serão devolvidos à natureza. A soltura acontece nesta quarta, 27, em áreas previamente selecionadas e cadastradas pelo Ibama ou em unidades de conservação, como o Refúgio da Vida Silvestre Mata do Junco.

Neste segundo dia de fiscalização, somente pela manhã, na Zona Rural de Japaratuba, os membros da FPI conseguiram resgatar vários animais silvestres, dentre eles os mais encontrados foram os passeriformes das espécimes: Papagaio Estrela, Papagaio Verdadeiro, Papa Capim, Sabiá, Pássaro Preto, Jesus Meu Deus, Galo de Campina, Azulão, Canário da Terra, Fogo Apagou, entre outros. Uma quantidade bem pequena de jabutis também foi resgatada.

No Povoado São José, pertencente ao município de Japaratuba, a fiscalização conseguiu resgatar duas cotias que estavam habitando ilegalmente em um viveiro nos fundos de uma residência.

Orientação – A equipe Fauna realizou tanto o trabalho fiscalizatório, como também orientou os proprietários a não mais proceder desta forma, pois eles estariam cometendo infração e até crime ambiental.

Após orientação, os proprietários resolveram, então, assinar um termo de doação voluntária para que os bichos fossem devolvidos à natureza. Além das duas cotias, 17 pássaros também estavam na residência e foram recolhidos pelos Carrancas do São Francisco.

A Equipe Fauna retornou para base antes mesmo do previsto. Tudo isso para resguardar os animais silvestres que ficaram no Caminhão Boiadeiro da Polícia Rodoviária Federal, que se encontrava lotado de animais e teve que se locomover até a base provisória para abrigar os bichos que receberão todos os cuidados necessários da equipe de biólogos e veterinários da FPI do São Francisco.

Equipes da FPI/SE – Espeleologia e Arqueologia; Mineração; Aquicultura; Aquática; Fauna; Patrimônio Cultural; Comunidades Tradicionais; Saneamento I e II; Gestão Ambiental I e II; Agrotóxicos; Flora; e Abate.

Instituições Parceiras – Várias instituições estão articuladas na Fiscalização Preventiva Integrada em Sergipe, são elas: Ministério Público Estadual e Federal; Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco; Fundação Nacional de Saúde; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; Polícia Federal; Polícia Rodoviária Federal; Secretaria do Patrimônio da União; Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade; Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária; Fundação Cultural Palmares; Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga; Marinha do Brasil; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Museu de Arqueologia de Xingó da UFS; Universidade Federal de Sergipe; Departamento Nacional de Produção Mineral; Coordenação De Vigilância Sanitária; Administração Estadual do Meio Ambiente; Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe; Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos; Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe; Polícia Militar; Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe; Secretaria Municipal de Meio Ambiente; Secretaria de Estado da Cultura; Polícia Civil; ONG Centro da Terra; ONG Fundação Mamíferos Aquáticos.

Assessoria de Comunicação – FPI/SE

Publicado em 26 de setembro de 2017